voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
sábado, 13 de Julho de 1940Racionamento

040413


O governo britânico aprova a aplicação do sistema de racionamento, no âmbito de uma política de bloqueio à Península Ibérica. Os aliados queriam impedir ou reduzir ao máximo o comércio com o inimigo, ou seja, com o Eixo. Contudo, até 1944 o bloqueio foi furado por Salazar. Para além do comércio legal, existia o contrabando. A Alemanha recebia de Portugal volfrâmio, estanho, agasalhos de lã, algodão em fio, peles, oleginosas, calçado, café, açúcar, etc. "A preempção surge como instrumento complementar do bloqueio: quando o racionamento ou as garantias de não exportação não lograram impedir a saída, com destino inimigo, de artigos domésticos essenciais ao seu esforço bélico, as autoridades do bloqueio intervêm comprando massivamente esses produtos para os retirar do mercado, impedir a constituição de stocks e aumentar os seus preços, sem olhar a considerações de qualidade ou outras que não fossem as ditadas pela racionalidade da guerra económica." (ROSAS, Fernando, "Da ditadura Militar ao Estado Novo (…)").

ano: 1940 | tema: Conflitos bélicos e activ.mil./Actividades Económicas
palavras-chave: Grã-Bretanha Bloqueio Alemanha II Guerra Mundial Compras preemptivas 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt