voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Quarta-feira, 5 de Outubro de 1910Proclamação da República nos Paços do Concelho de Lisboa e anúncio do Governo Provisório

00640

01010203
Dirigentes do Partido Republicano Português dirigiram-se aos Paços do Concelho, de cuja varanda José Relvas, acompanhado por Eusébio Leão e Inocêncio Camacho proclamou, às 11 da manhã, a República: "Unidos todos numa mesma aspiração ideal, o Povo, o Exército e a Armada acabou de, em Portugal, proclamar a República". Camacho lê ao povo, da varanda da Câmara Municipal de Lisboa, a lista dos membros do Governo Provisório. O Suplemento ao nº 222 do Diário do Governo de 5 de Outubro publica de imediato a constituição do Governo Provisório: Presidido por Joaquim Teófilo Braga, o Governo Provisório foi constituído por importantes vultos republicanos, que se tornariam, no novo regime, alguns dos principais actores políticos. A pasta do Interior foi ocupada por António José de Almeida; a da Justiça por Afonso Costa; a do Fomento por Manuel de Brito Camacho (substituindo António Luís Gomes); a dos Negócios Estrangeiros por Bernardino Machado; a das Finanças, por decreto de 12 de Outubro, por José Relvas (já que o indigitado Basílio Teles não chegou a assumir as funções, por alegado motivo de doença); a da Guerra por António Xavier Correia Barreto e, por fim, a da Marinha (a partir de dia 10 de Outubro, denominado de Marinha e Colónias) por Amaro Justiniano de Azevedo Gomes. Em 22 de Novembro de 1910, Brito Camacho será incluído no elenco governamental, sobraçando a pasta do Fomento. A sua composição reflectiu o equilíbrio de poder entre as várias correntes republicanas, permanecendo em funções até 3 de Setembro de 1911, com vasta e relevante obra legislativa. O telégrafo levou a notícia a todo o país e às colónias, provocando a gradual adesão generalizada, quase sem resistência. Ainda assim, registaram-se incidentes em vários pontos do país, como Setúbal, em que foi assaltada a esquadra de polícia, a Fazenda e o convento de Brancanes. Em Paris, onde se encontrava para estabelecer contactos internacionais com vista ao reconhecimento da insurreição republicana, o Grão-Mestre da Maçonaria, Magalhães Lima, iça a primeira bandeira republicana no Grand Hotel Central. Entretanto, concretiza-se o desembarque dos marinheiros, já com a República proclamada.

ano: 1910 | tema: Vida Política
palavras-chave: Implantação da República José Relvas Eusébio Leão Teófilo Braga Magalhães Lima 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt