018556
SANTOS, Paula Alexandra Fernandes Borges
A igreja e o 25 de Abril: o "caso Rádio Renascença" (1974 - 1975)

AGRADECIMENTOS

I

ABREVIATURAS E SIGLAS

II

INTRODUÇÃO

1

CAPÍTULO 1 - O Projecto da "Emissora Católica Portuguesa" no Contexto da "Restauração Cristã" (da Ditadura Militar às Vésperas do "25 de Abril")

 

l. A Rádio Renascença como objecto de observação do catolicismo contemporâneo

8

2. Da "boa imprensa" à "boa rádio": as origens da Rádio Renascença enquanto projecto pastoral

9

3. Organização interna e enquadramento da Rádio Renascença no "movimento católico"

18

4. A definição da programação e da linha editorial da Rádio Católica

21

5. Dos reflexos do Concílio Vaticano II ao 25 de Abril: limites e "espontaneidade" na evolução da Rádio Renascença

29

CAPÍTULO II - Crise do Compromisso do Catolicismo Português com o Estado Novo

 

1. A intervenção política dos católicos como elemento perturbador da "paz" entre a Igreja e o Estado

34

2. O pluralismo no interior da Igreja Católica antes da democratização da sociedade: integristas, "católicos sociais", democratas-cristãos e "progressistas"

37

3. O fim do paradigma da unidade dos crentes: o processo de decomposição da ACP

42

4. Divisões e recomposição no clero

44

5. O "compasso de espera" dos últimos anos do pontificado de Cerejeira

46

6. A sucessão de Cerejeira como problema eclesial e político

50

7. O rumo prudente de D. António Ribeiro em direcção ao aggiornamento religioso e político da Igreja Católica portuguesa

56

8. O novo patriarca e a gestão das diferentes expectativas dos católicos

59

9. A desafectação crescente do episcopado ao regime nas vésperas do "25 de Abril"

65

CAPÍTULO III - Sociedade e Igreja, da Ruptura Militar ao "28 de Setembro". Da Génese do "Caso Rádio Renascença" ao Problema dos Despedimentos dos Estagiários (Abril a Setembro de 1974)

 

1. Reserva e prudência iniciais

76

2. As relações cordiais entre o episcopado e o 1 Governo Provisório

81

3. O episcopado e a revolução: da abstenção à intervenção

85

4. A contestação no interior da Igreja

91

5. O início do conflito na Rádio Renascença

99

6. A polémica em tomo dos despedimentos dos estagiários

109

CAPITULO IV - A Igreja perante a radicalização do processo revolucionário: da queda de Spínola ao rescaldo das eleições para a Assembleia Constituinte. Os impasses do conflito na Rádio Renascença: do arrastar das negociações à rejeição da Comissão Mista (Outubro de 1974 a Maio de 1975)

 

1. A evolução da hierarquia eclesiástica perante o poder político: da intervenção "cooperante" à crispação

117

2. O estádio estacionário do "caso Rádio Renascença" entre Outubro de 1974 e Janeiro de 1975

124

3. A greve de Fevereiro

129

4. Da interrupção da greve à nomeação da Comissão Mista

142

5. A Comissão Mista e a ameaça de nacionalização da emissora católica

145

6. Os trabalhadores perante a Comissão Mista

151

CAPÍTULO V - Da mobilização da Igreja Católica durante o "verão quente" ao reequilíbrio das relações com o VI Governo Provisório. Da ocupação autogestionária à resolução do "caso Rádio Renascença" (Maio a Dezembro de 1975)

 

1. A ocupação autogestionária dos estúdios de Lisboa e dos centros emissores de Benfíca e da Lousã

160

2. A "tomada de partido" do episcopado

172

3. Os acontecimentos de 18 de Junho e as suas consequências

175

4. As reacções ao recuo do Conselho da Revolução e as manifestações religiosas de Julho e Agosto

190

5. A intervenção do VI Governo: da ocupação militar das instalações da RR em Lisboa à devolução da emissora católica ao episcopado

197

CONCLUSÃO

208

FONTES E BIBLIOGRAFIA

212

 

topo